Top 5 museus gratuitos de Paris #1: Musée d’Art Moderne

O meu primeiro argumento para levar alguém minimamente interessado por arte ao Museu de Arte Moderna de Paris é a gratuidade.

O segundo argumento é igualmente simples: basta listar alguns dos artistas que você encontra por lá. Matisse, Picasso, Modigliani, De Chirico, Georges Braque, Jean Arp, Raoul Dufy, Fernand Léger, Hans Arp, Yves Klein, Robert Delaunay, Francis Picabia. Prefere os contemporâneos? Que tal Andreas Gursky, Georg Baselitz, Christian Boltanski?

Se os seus conhecidos pararam no segundo nome da lista, eu volto para o primeiro argumento e completo: que ótima oportunidade de conhecer essa galera, hein?

A coleção do MAM de Paris é uma espécie de continuação do percurso do Petit Palais (de onde vieram suas primeiras aquisições), passando por diversas correntes artísticas do século XX: Escola de Paris, fauvismo, cubismo, surrealismo e movimento Dada, arte abstrata, novo realismo, arte conceitual. Entre pintura, escultura, fotografia, vídeo e instalações, o acervo do museu conta com mais de 8000 obras.

Tá bom ou quer mais?

Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris
11, avenue du Président Wilson, 75116, Paris
Metrô: Iéna (linha 9) ou Alma-Marceau (linha 9)
Fone: 01 53 67 40 00
Site: www.mam.paris.fr
 Aberto de terça a domingo (exceto feriados), das 10h às 18h
Acesso gratuito à coleção permanente

Aproveitando a viagem:

  • As exposições temporárias do MAM são pagas, mas geralmente valem a pena (em 2011, por exemplo, o museu exibiu uma ótima retrospectiva do Basquiat). No mesmo prédio, o Palais de Tokyo (fechado para reformas até abril de 2012) é um dos melhores espaços de arte contemporânea da cidade – e a livraria também merece uma olhada.
  • Da série “pontos turísticos de mau gosto”: ali pertinho, sob a Place de l’Alma, fica o túnel do acidente que matou a Princesa Diana. Na praça, uma réplica da chama da Estátua da Liberdade acabou virando lugar de homenagens à falecida.
  • Não muito longe dali fica a Torre Eiffel – aproveite e dê uma volta pela Île aux Cygnes.

Veja também:

As quatro imagens horizontais usadas neste post, mostrando as salas do museu, são do fotógrafo Pierre Antoine (Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris/DR)

Aproveitando a viagem: