Como furar a fila do Centre Pompidou

O Centre Pompidou é um endereço incontornável mesmo para quem detesta arte contemporânea. Isso porque há muito mais do que o excelente acervo do museu e suas exposições temporárias. O que muita gente não sabe sobre o Centre Pompidou é que: 1) é possível furar (honestamente) a fila de entrada do saguão (ilustrada ali no canto da foto),  2) a parte do museu mais frequentada pelos moradores de Paris – e que passa batida pelos turistas – tem entrada pelo lado oposto à principal e 3) do último andar tem-se uma das mais belas vistas da cidade e sem precisar pagar ingresso (muita gente acha que o acesso está condicionado ao ingresso, mas não). Então vamos por partes:

1) A fila para comprar o ingresso, uma vez dentro do saguão, é inevitável. O que é evitável é a fila para entrar no saguão. Muita gente quer apenas ter acesso ao saguão (que é grátis) para chegar aos cinemas, para usar o wifi também grátis, para tomar um café ou para fazer compras (a papelaria/livraria é um dos melhores lugares da cidade para se comprar cartões postais e livros de arte, e a lojinha da Printemps Design é uma das melhores para se comprar câmeras e acessórios Lomo). Bem, acontece que, principalmente durante o verão, há fila até mesmo para acessar o saguão. Para escapar dela, basta se dirigir ao discreto elevador vermelho que fica do lado de esquerdo de quem olha a entrada. Há um segurança com cara de mau ao lado do elevador. Diga a ele que deseja ir ao restaurante. Ele dirá “aperte o sexto andar”. Mas você apertará no botão do primeiro andar e… terá acesso imediato ao saguão. Por que isso não é errado: porque você pode, de fato, ir até o sexto andar, tomar um café lá em cima, e depois descer direto no saguão. Ou seja, trata-se apenas de uma outra forma de acesso ao prédio que quase ninguém conhece.

2) Pela Rue Rambouteau, ou seja, no lado oposto ao pátio da porta principal do Centre Pompidou, é possível acessar a Bibliothèque Publique d’Information. Turistas que sobem a famosa escada rolante externa do Centre Pompidou costumam passar batidos pelos dois andares da Biblioteca sem entender o que é aquilo e sem conseguir achar a porta de entrada (justamente porque estão do lado errado). A BPI é bem mais do que uma biblioteca, são dois gigantescos andares com jornais do dia, revistas do mundo todo (a única brasileira é a Veja), televisão, livros, filmes e uma enorme discoteca. Tudo para consumo grátis, sem precisar fazer inscrição. Um verdadeiro parque de diversões cultural. Jovens estudantes de Paris costumam passar as tardes inteiras por lá, o que faz do bar e do fumódromo da BPI dois dos melhores lugares da cidade para conhecer gente. Dali é possível ter uma bela vista do pátio do Centre Pompidou para fumar bebendo um café expresso que custa centavos – ao contrário dos caríssimos outros dois cafés do prédio.

3) Para acessar a linda vista do último andar sem pagar, repita o procedimento da dica número 1, mas vá realmente para o sexto andar, não para o primeiro. Não entre no restaurante, que cobra 8 euros por 250ml de cerveja. Há um espaço envidraçado para fazer fotos ao lado.

Uma última dica para quem quiser usar internet de graça: o sinal wifi não é lá muito bom, mas quebra o galho. E há tomadas para plugar o notebook ou carregar o celular escondidas junto à vidraça do lado direito de quem entra no saguão e também numa sala do lado esquerdo, após o primeiro lance de escadas rolantes. Bom proveito.

Centre Pompidou
Place Georges Pompidou. 75004. Paris.
Metrô Rambuteau (linha 11) ou Hôtel de Ville (linhas 1 e 11).
Museu e exposições: aberto todos os dias menos terça, das 11h à 21h (caixas fecham às 20h). Biblioteca: segunda, quarta, quinta e sexta, das 12h à 22h. Sábado e domingo, das 11h à 22h.

Aproveitando a viagem:

  • O local turístico mais próximo é o próprio Centre Pompidou e o Hôtel de Ville.
  • A uma quadra do Centre Pompidou há uma minúscula rua chamada Quicampoix. Escondida ali, no número 60, fica a My Electro Kitchen, uma loja de discos e roupas voltada para quem curte a estética do electro e do electrorock.
  • Confira nossas outras dicas sobre lugares conhecidos.

About Gabriel B. 115 Articles
Connard, flâneur, ringard.

5 Comentários

  1. Rá! Super lembro da gente ‘furando’ a fila pelo elevador (e eu, tolinha, achando que seríamos barrados). Melhor dica!

  2. Além da pergunta acima, não poderia deixar de dizer: adorei o blog! Será minha primeira vez na cidade, logo, passarei mais tempo pelo lado A. Mas a visão que vocês propõem, mesmo dos lugares mais batidos, descontamina o ar careta e metida a besta que Paris me passa nos blogues turísticos em geral. Ah, estou louco para experimentar a pizza do balão rosa! 😀

9 Trackbacks / Pingbacks

  1. Furando a fila do Louvre |
  2. Cultura digital na Gaîté Lyrique |
  3. Sapatilhas bonitas e confortáveis a 15 euros |
  4. Programe-se: exposições em 2012 | Paris Lado B
  5. Loja barata “de tudo um pouco” | Paris Lado B
  6. DVDs a partir de 3 euros | Paris Lado B
  7. Top 5 museus gratuitos de Paris #4: Atelier Brancusi | Paris Lado B
  8. Como entrar de graça em museus pagos | Paris Lado B
  9. Cerveja barata em pleno Marais | Paris Lado B

Comments are closed.